O outro é uma necessidade interna - Papel do grupo na estruturação de um indivíduo.

Além disso, você precisa saber mais sobre o assunto.

O papel do grupo na estruturação de uma pessoa nunca foi polêmico, mas as escolhas dos meios implementados na Formação hoje nos levam a pensar que não confiamos nele ou que pensamos tanto. Óbvio que se acredita ser inerente ao fenômeno de grupo. Porém, muitas vezes, o grupo não tem as condições necessárias para ter um papel ativo na estruturação de cada um de seus membros.

Todas as estruturas de educação. Pode haver uma estruturação no sentido de que se adaptaria o indivíduo a uma situação como uma treliça que se consegue sombrear um terraço. Mas especificaremos, contra a imagem, que a estruturação que deve para isso evoluir de forma harmoniosa nos níveis cognitivo, psicológico e emocional.

Quando uma pessoa enfrenta as várias situações da vida, não basta, para viver de forma independente, ter desenvolvido capacidades cognitivas que permitem comunicar ou encontrar soluções, deve ainda ser capaz de as transferir apesar das pressões e frustrações inerente às situações cotidianas, daí a importância de se considerar uma estrutura aberta.

Um grupo está a caminho assim que puder desenvolver um projeto. Cada indivíduo do grupo está individualmente envolvido no processo, trazendo assim suas próprias habilidades em jogo.

Quando um grupo se prepara para vivenciar uma situação (por exemplo, uma situação de treinamento), nos encontramos na presença de vários elementos inerentes à situação: a tarefa a ser realizada, o grupo, o tempo, as instruções, a autoridade ... , Tudo isso sendo vivido em um quadro do qual o grupo faz parte.

Há um problema a ser resolvido: a tarefa em questão. Identificamos quanta atenção, criatividade, linguagem, organização de pensamento, interesse, disponibilidade de cada um estão em jogo ... Identificamos também quantos fatores emocionais são postos à prova, bem como a autoimagem.

Como vimos, os papéis potenciais do grupo no desenvolvimento da estrutura geral de um de seus membros estão em dois níveis:

-como parte da estrutura: o grupo é formado por várias pessoas que são diferentes umas das outras e que podem contribuir com algo umas para as outras. Ele introduz uma noção de complexidade propícia para revitalizar a situação. O contexto pode ser diferente dependendo da heterogeneidade e do tamanho do grupo.

- como parte da situação: O grupo é um meio de abertura em situações bloqueadas: tempera as posições tomadas à medida que as solicita; abre vários caminhos e soluções para superar as dificuldades encontradas; permite trocas, uma perspectiva diferente ... O grupo participa de trabalhos por disponibilidade.

O grupo permite o autoconhecimento: os medos que uma pessoa experimenta ao agir estão ligados ao medo do fracasso e ao medo de si mesmo. Enquanto a pessoa age apesar de seus medos, a reação dos outros o convida a um novo olhar sobre suas abordagens, dá-lhe informações sobre si mesmo ... a hostilidade para consigo mesmo impede o aprendizado ou outras abordagens; o grupo permite um trabalho de auto-aceitação.

Esta identificação, que não é exaustiva, dos papéis de um grupo na estruturação de um indivíduo, mantém-se a nível potencial, pois está longe de ser óbvio que esses papéis sejam realmente postos a serviço da estruturação de pessoas em grupos de formação. .

A tendência é equacionar o limiar de integração com o nível de conhecimento, é sempre necessário saber um pouco mais e por isso armazenar cada vez mais.

Para atingir esse objetivo, vamos optar por uma homogeneização de grupos não muito longe do elitismo. O papel potencial do grupo por meio da estrutura, imbuído de diferenças por meio da heterogeneidade e da complexidade por meio da multiplicidade de inter-relacionamentos existentes, é aqui limitado, senão comprometido. O conceito de diferença propício às trocas, ao confronto não pode ser um suporte no desenvolvimento da estrutura geral. A heterogeneidade é considerada uma barreira para o “sucesso”.

A pesquisa para desenvolver habilidades de aprendizagem continua presente, mas o objetivo continua sendo o de atingir um bom nível. Não estamos longe de identificar autonomia com "a aquisição de um nível educacional" e, portanto, substituir o desenvolvimento das capacidades de aprendizagem, a aquisição de conhecimentos para passar no exame.

O objetivo a ser alcançado desvia assim cada indivíduo de um trabalho pessoal e ativo face ao seu comportamento, às suas emoções, à autoaceitação ... No entanto, é um trabalho que ele seria capaz de realizar., Através do grupo, no jogo de confronto com todos os elementos e consigo mesmo. Não podemos dizer que não há desenvolvimento de capacidades, portanto estruturantes, mas a evolução é feita por repercussão e parcialmente. O indivíduo não é ator, o grupo não tem desempenhado um papel ativo, a estruturação dos alunos é ativada pelo professor no “quadro de grupo”.

O grupo, embora as dificuldades escolares sejam importantes, não é reconhecido como uma oportunidade de ajuda:

Diante das dificuldades encontradas pelos alunos, tomamos medidas de apoio que, para serem mais eficazes, serão individualizadas. É porque uma pessoa irá orientar o aluno em dificuldade que ele poderá avançar. O acompanhante terá, portanto, a função de desenvolver essa ou aquela capacidade deficiente, para que haja progresso acadêmico. O papel do grupo na estruturação é negado.

No funcionamento desse tipo de grupo de formação não vivem os papéis potenciais de um grupo na estruturação de um indivíduo. O grupo é apenas um quadro formal que permite ao professor realizar determinadas ações. O grupo não é reconhecido como estruturante.

Pudemos identificar ao mesmo tempo que o sujeito do treinamento não pode ter um papel ativo na sua estruturação, ele é sempre acionado por alguém que teria um projeto para ele. Não estamos longe de estar numa abordagem behaviorista no sentido de que é decidido o que é bom para o indivíduo e somos responsáveis ​​por preencher as lacunas.

Nós realmente confiamos no indivíduo capaz de ser responsável por seu projeto de desenvolvimento? Ele é realmente um sujeito?

- Conceito de objetivo

A noção de objetivo é um fator de perversão do projeto inicial:

O projeto da Educação Nacional é permitir que todos sejam autônomos; para isso, dá a si mesma um objetivo: atingir um determinado nível educacional. O ensino, preso a este objetivo, coloca os meios como fim: o desafio é aprender a resolver tal ou qual problema ou é desenvolver as capacidades para resolver um problema?

Em outras palavras: “resolver um problema” é um fim ou um meio?

Como dissemos no início da intervenção, autonomia significa ser capaz de resolver um problema em qualquer contexto. No entanto, resolver um problema não significa encontrar a solução sem todo envolvimento pessoal. Com efeito, não se trata apenas de ter conhecimentos relacionados com conhecimentos para poder resolver um problema, é preciso saber arriscar resolvê-lo, não ter medo dos erros, portanto não ter medo de si mesmo. .. É necessário ser capaz de superar suas emoções ... Portanto, é essencial que a pessoa seja capaz de desenvolver todas as suas próprias capacidades; "Resolver um problema" talvez seja a ocasião e, portanto, o meio.


- Conceito de dispositivo

O treinamento deveria ter por missão o estabelecimento de um dispositivo que permitisse à pessoa desenvolver suas próprias capacidades sem escolhas preferenciais. Nesse dispositivo, todos os elementos necessários para uma estruturação global devem estar presentes.

Esse dispositivo seria análogo às situações da vida cotidiana, o que não significa ser uma cópia dele. O treinamento deve permitir ao indivíduo enfrentar um conjunto de elementos cuja complexidade pode ser semelhante à das situações de vida.

Todos esses elementos, fontes de questionamento, por um lado permitiriam ao indivíduo se engajar na pesquisa e seriam, por outro lado, fatores de desenvolvimento. A pesquisa empreendida apela ao indivíduo para várias capacidades para superar a situação problemática que se encontra nesta ocasião.

As dificuldades são diferentes para cada pessoa. Eles podem ser cognitivos e / ou relacionais e / ou emocionais. Eles podem estar presentes todos ao mesmo tempo, um talvez mais significativo do que o outro ... tudo isso depende de cada um e, sozinho, cada um pode saber, trabalhar as próprias dificuldades, desde que tenha algumas. dá os meios.


- Os elementos do sistema

É nesse ponto preciso que o grupo encontra seu lugar como elemento, para desempenhar um papel na estruturação geral do indivíduo.

Numa situação provocada pela formação podemos identificar elementos: o indivíduo, o formador, uma tarefa a cumprir, regras, instruções, o grupo, a noção de tempo e espaço ... elementos que serão tantas oportunidades relações em que o o indivíduo será capaz de conhecer suas dificuldades, mas também superá-las e, portanto, evoluir.

Muito parecido com a tarefa em mãos, que pode ser 'resolver um problema de matemática' ou 'arrumar a cama', o grupo tem seu papel na situação. A tarefa a cumprir exigirá conhecimento, capacidade de organização, criatividade ... o grupo testará autoaceitação, disponibilidade ...; a tarefa a ser realizada será uma oportunidade para tentar encontrar diferentes abordagens e assim desenvolver todas as suas capacidades cognitivas; o grupo será a oportunidade de evoluir na sua relação com os outros, consigo mesmo ...

- do potencial dos elementos à sua eficiência

Vamos abordar três pontos essenciais:


Não confunda o objetivo e os meios:

Não feche um projecto de formação ao sucesso de uma aprendizagem que poda o trabalho de desenvolvimento de capacidades e consequentemente de estruturação. Aprender é um meio e não um fim. Porque não pretendemos adquirir conhecimento, permitimos uma melhor integração do conhecimento.

Assuma o risco de confiar no indivíduo:

O trabalho de estruturação só pode ser vislumbrado com a participação efetiva da pessoa e não a despeito dela mesma. O treinador pode suspeitar das causas das dificuldades dos alunos, mas nunca pode ter certeza; o desenvolvimento de capacidades não deve se tornar seu objetivo.

Dê vida à "situação":

Os elementos do sistema de treinamento devem estar todos presentes ao mesmo tempo e o indivíduo será confrontado com todos eles ao mesmo tempo, exatamente como na vida. O papel do formador é garantir o lugar de cada um destes elementos, permanecendo cada um deles um meio de estruturação e não o fim da situação formativa.

Assim, o grupo poderá desempenhar um papel ativo na estruturação geral de um indivíduo, como todos os outros elementos da situação.

Simonne Ramain entendeu sua importância e nunca considerou sua prática de ensino a não ser em grupo. O projeto de sua Pedagogia é permitir que a pessoa se proponha a se tornar autônoma. Confiando no indivíduo, ela cria por meio de seu método um sistema complexo e rico, no qual todos são responsáveis ​​por sua estruturação.

“Fiz tudo isso para que todos pudessem escolher”, disse ela.

O projeto de Simonne Ramain não é preparar as pessoas para o sucesso do bacharelado, mas dar-lhes os meios para seu sucesso pessoal que lhes permitirão viver um futuro onde, talvez, escolherão fazer o bacharelado.

Odile CAZES-BOUCHET

Le Bourg (46) 1995