Les options éthiques de la méthode RAMAIN
Vá para a página :
Um treinamento inacabado
Vá para página:
Outros são uma necessidade interna
Vá para página:
Atenção ou espere
Vá para página:
O imprevisto. o desconhecido - animação
Vá para página:
Criado: disponibilidade no ato
Vá para página:
Atitude de interesse
Vá para página:
A dúvida alimenta a pesquisa
ethiquec.png
© Pécub

Do ponto de vista ético

  • O homem só se torna homem ao se comprometer, e o primeiro compromisso é consigo mesmo.

  • O homem é um ser em relação.

  • A relação é apenas interindividual (relação com o que respiramos ...)

  • Você é apenas um homem na medida em que reconhece outros homens.

  • Permanência para si e para o meio ambiente.

  • Todos são responsáveis pela relação e por si próprios na relação.

  • Trata-se de uma relação consigo mesmo em sua corporalidade e não de uma relação com a imagem social e emocional de si mesmo.

  • O relacionamento é recíproco.

  • Relacionamento consigo mesmo não passando pela imagem.

- Treinamento inacabado

“O objetivo é da ordem do objeto; algo objetivo ou orientado por eventos ...

O projeto, por outro lado, é sobre o assunto, porque é algo bem diferente de uma estratégia, um plano, um enredo ...

É neste sentido que um objetivo é acabado, fechado, instantâneo e imóvel em si mesmo, enquanto um projeto está a ser desenvolvido, a ser alterado se for uma conta, a ser adaptado se for uma obra de engenharia civil, a amassar se for a massa do padeiro; em todos os casos realizar, administrar, realizar, viver. "

- Aceite para abrir espaço para o desconhecido

“Aceitar o desconhecido é aceitar que a relação que se estabelece entre os alunos ou formandos a mim confiados e o objeto de aprendizagem existe fora de mim, que permanece elusiva por natureza. É aceitar que desde o modelo teórico definido pelos psicólogos e que me pode ser útil para observar, compreender e atuar no desenvolvimento ou aquisição do conhecimento, até a experiência de tal e tal pessoa, haja um distanciamento em que o ' imprevisto na vida. Aceitar o desconhecido não é determinar em nenhum momento que aconteça que tal e tal nunca chegará lá, que tal e tal outro são talentosos para a matemática. "

- Outros são uma necessidade interna

“Achamos que o papel do grupo na estruturação de uma pessoa é tão óbvio que acreditamos ser inerente ao fenômeno grupal. Porém, muitas vezes, o grupo não tem as condições necessárias para ter um papel ativo na estruturação de cada um dos seus membros ...

Nós realmente confiamos no indivíduo capaz de ser responsável por seu projeto de desenvolvimento? Ele é mesmo um sujeito? ...

Simonne Ramain nunca imaginou sua prática de ensino a não ser em grupo ... Confiando no indivíduo, ela cria com seu método um dispositivo complexo e rico, no qual todos são responsáveis por sua estruturação. "

- Criação: disponibilidade em atuação

“O ponto de partida da criatividade parece-nos ser o momento em que o ato de resposta é influenciado apenas pela imagem mental que o desperta e pelo material a ser utilizado. Um ato de criação nos parece muito mais puro, mais verdadeiro quando, a partir de um estímulo (seria a proposição usada como ímã) a imagem mental escolhe e agrupa em torno de si todos os elementos de que necessita: ela os escolhe, mas não se submete a eles ; estes elementos presentes, em massa, no poder, ainda não condicionados e, portanto, sem determinação definida, permanecem disponíveis à primeira convocação, prontos a se fundir com outros, sempre diferentes, capazes de consolidar momentaneamente sua própria afirmação. "(Simonne Ramain)

- Preste atenção ou fique atento

“Podemos falar em prestar atenção de uma forma mais ou menos focada. No entanto, Simonne Ramain, mesmo quando nos pede para prestar atenção a algo, nos pede que prestemos atenção a tudo, ao objeto, a si mesmo, ao grupo, ao ambiente, às nossas expectativas, à nossa desilusão, à complexidade de um fenômeno, a situação geral ...

A atenção assim definida é, afinal, apenas uma expectativa ativa que, enraizada no presente, se desdobra no tempo. "

- A atitude de interesse

“A qualidade dominante do ser é, ao que parece, a vigilância, essa atitude de atenção que torna aquilo presente para si mesmo também está presente para o que se faz.

Isso é o que deve ser educado antes de mais nada e não deve deixar de manter. Devemos, portanto, buscar em tudo e em toda parte o que despertará essa consciência, essa presença; é necessário dar à luz essa atitude vigilante que envolverá o ser na ação e o deixará claro sobre o que está vivenciando.

Se ser é consciência, é desenvolvendo essa consciência que desenvolvemos o ser. "

- Pesquisa de combustíveis de dúvida

“O risco exige ouvir-se e fazer uma escolha, dependendo das representações disponíveis ...

“O facto de duvidar da idoneidade de tal ou qual rótulo lança-nos numa situação de investigação da qual emergem a nuance e o novo conceito, que também é perecível”. ..

Arriscar uma resposta é apropriá-la assumindo o erro possível, superar o medo que ela possa suscitar e aos poucos adquirir uma certa segurança. É, portanto, assumir a responsabilidade e se adaptar a um ambiente em mudança.