Animador

Além disso, você precisará saber mais sobre o assunto.

SOBRE A ATITUDE DO TERAPEUTA


“A nossa opção é oferecer - propõe o animador - ao sujeito uma tarefa banal e gratuita, diante da qual ele se sinta convidado a viver um presente de luta para superar a situação problemática que ela cria para ele”.

Considero verdadeiro este pensamento de S. Ramain e G. Fajardo e tentarei, com a minha limitada experiência neste campo, demonstrar como é possível vivê-lo na prática. Esse pensamento diz respeito à relação terapeuta-paciente, uma vez que ambos fazem parte de uma dinâmica em que um propõe a tarefa e o outro a recebe: desse sistema surge a “situação” que viabiliza o processo terapêutico.

A diversidade de exercícios que compõem um arquivo do Ramain facilita - este é um dos objetivos - quebrar estereótipos, defesas ou ideias pré-concebidas. O terapeuta está o tempo todo em estado de vigília, acompanhando o caminho que a pessoa está tentando traçar. Sua posição não é interpretar, nem julgar, mas reorientar a instrução do exercício, cuidando para trazer a pessoa a uma situação de pesquisa para que ela perceba a diferença, neste caso entre o que ela faz e o que foi perguntado .

O colapso das defesas ocasionado pela situação de pesquisa provoca reações graves no indivíduo que chegam ao terapeuta, que precisará estar preparado para recebê-las. A calma, a firmeza, a disponibilidade, o bom senso, a flexibilidade mental e emocional do terapeuta são fatores preponderantes para amenizar a desintegração da pessoa. Sua intervenção é difícil de suportar e fonte de angústia; também, quando a dor aparece, não importa o quanto a pessoa esteja sofrendo, esta frequentemente permanecerá deprimida, silenciosa, confusa; ou então ela vai querer atacar aquele que causou sua dor (neste caso, o terapeuta).

Essas reações são mais claramente observáveis ​​em crianças porque suas emoções surgem com mais facilidade, mesmo que também apareçam em adultos, de forma mais velada. Trabalhando com um grupo de crianças, lembro-me de um momento, em um exercício de ditado (22a), onde todos os participantes cruzaram os braços dizendo que não fariam nada, porque era muito doloroso, em uma atitude de enfrentamento comigo. Em outra sessão, durante um exercício de atividade supervisionada (100), ao invés de fazerem máscaras de papel machê como foi proposto, resolveram brigar com a massa e jogá-la no teto; em outra sessão, durante um exercício com cordas armadas (23), ao invés de seguir os modelos propostos, faziam bigodes, barbas, chifres ou então jogavam as cordas pela janela. Sem várias sessões de ADS, eles corriam pela sala e gritavam, tentando encobrir a instrução do exercício ou não a ouviriam. Não vou acrescentar à lista de exemplos - são inúmeras as situações como esta - em que nos sentimos perplexos, sem saber o que fazer e se devemos dizer algo ou calar a boca.

Esses momentos foram extremamente desconfortáveis ​​para mim e, no início do trabalho de parto, o desejo de me tornar uma terapeuta Ramain havia perdido em parte seu encanto; Não posso deixar de confessar que pensei em me retirar, embora achasse que a par deste desânimo, também me foi apresentado um desafio - uma oportunidade de me envolver. Sem essas oportunidades, eu voltava à minha formação didática e perguntava: por que nossos treinadores não nos ensinaram o que fazer nesses momentos? Logo percebi que era impossível, pois, para chegar a esse conhecimento, era necessário “viver a situação”: a de ser terapeuta ramain.

“Só depois de um longo trabalho de si mesmo, a partir do próprio corpo e das reações que todas essas situações provocam, é que aos poucos vão caindo hábitos e estereótipos que não permitem a liberdade de expressão ou a espontaneidade. Total”.

Desde o início de meu trabalho em Ramain em 1991, levantei questões relacionadas à atitude do terapeuta em relação ao grupo de treinamento. Tendo desenvolvido durante alguns anos um trabalho analítico básico individual, observei conduzindo as sessões do Ramain que o terapeuta está extremamente exposto, pois não pode recorrer à interpretação que de certo modo lhe delega um poder. E que por outro lado mobiliza o paciente para uma reflexão. Muitas vezes, ao final de uma animação, me sentia exausto pelo movimento, pela abundância que percebia na sessão. Com base nisso, tendi a controlar tudo, fechando portas e janelas da sala, escondendo todo o material que não fazia parte da sessão, tentando de alguma forma canalizar a atenção das crianças para os exercícios de enunciado.

O terapeuta acostumado ao trabalho psicoterapêutico individual, agindo com um número limitado de estímulos, se pergunta como lidar com tudo o que surge em uma sessão de Ramain dada a extensão em que ela acontece.

Freqüentemente, tenho me encontrado lutando com as seguintes questões:

  • Como devo me comportar diante do grupo?

  • O que fazer em tal e tal situação? Quando calar a boca e quando intervir?

  • E se eu sugerir uma atividade e o participante fizer algo não relacionado a ela?

  • Como ser terapeuta e não educador?

  • Posso ter dúvidas, muitas vezes me sinto insegura na frente do grupo?

  • O que fazer quando me sentir alcançado pelo grupo?

  • O que há no Ramain que me invade e me escandaliza tanto?

  • Se não consigo interpretar, o que farei com o que percebo?

  • O que fazer diante de uma atitude de recusa total do grupo diante de uma tarefa?

Como pode ser que, num clima de grande confusão, turbulência, liberdade, a que chamo “efervescência”, possa surgir um processo terapêutico?
Talvez o cansaço que citei no início estivesse relacionado às ansiedades que essas questões despertavam e à extensão de minhas tentativas de controlar essa efervescência. Meu desejo era jogar "água fria na panela" para continuar o trabalho, enquanto o Ramain pede para jogar "mais lenha no fogo"; tudo é fonte de lucro na sessão, a partir de uma conversa paralela, uma palavra ou algum acontecimento, visto que a técnica ocorre dentro de uma realidade e, sendo assim, nada se pode faltar ou se omitir.

Na vida, nutridos por nossa educação, tendemos a estar no controle; mas o controle encolhe, fecha e impede a espontaneidade, o natural; isso vai na direção oposta do caminho recomendado por Ramain que é a favor de abrir, alargar, ventilar, deixar livre o que está encerrado, para dar a possibilidade de nascimento a uma nova forma de pensar e agir.

Em setembro de 1994, após três anos de trabalho nesta técnica, senti uma enorme vontade de conhecer a sede do Instituto Simonne Ramain em Paris, para observar mais de perto como as sessões eram conduzidas pelos terapeutas que trabalham com diferentes populações e têm o oportunidade de discutir com eles - de saber se também sofriam das mesmas dúvidas - de poder compreender melhor com eles como resolver as questões que tanto me incomodavam.

Neste curso pudemos participar em seis grupos de formação diferentes, liderados por Danielle Andréoletti, Marie-Paule Blanchard, Geneviève Bourdon, André Béguet e Michel Besson. Reúne crianças, adolescentes ou adultos, quer em Instituto Médico-Pedagógico (tipo Hospital Dia), quer em ambiente escolar normal, ou em grupos abertos a quem procura um lugar de evolução.

Todas as sessões que observamos decorreram em clima de liberdade e naturalidade; a heterogeneidade dos estímulos esteve sempre presente, nada foi excluído do trabalho que decorria a portas abertas, mesmo com participantes muito perturbados como vimos no Instituto Médico-Pedagógico e todo o material inerente ou não à sessão, ainda estava presente.

Esta oportunidade de observar vários grupos em Paris levantou algumas questões que me surpreenderam bastante. Numa sessão moderada por Michel Besson, o grupo era composto por 9 adolescentes, entre 11 e 14 anos, muito deficientes do ponto de vista emocional. Chamou-me a atenção o fato de que os guarda-roupas da sala foram deixados abertos e os equipamentos em exibição, incluindo balas e outros itens que podem interessar ao grupo. Eu me perguntava sobre esse fato e estava curioso para saber como Michel procederia, se um dos participantes do grupo resolvesse remexer no armário. O interessante é que Michel deixou intencionalmente os armários abertos! Ele nos contou que às vezes, no meio de um exercício, os participantes vão até o armário, pegam uma bola ou outros objetos e começam a jogar, embora sejam "lembrados" de que têm um trabalho a fazer. Esta ocasião me levará a pensar, mais tarde, que tudo isso é análogo à vida, já que em nossa experiência encontramos todos os tipos de estímulos que muitas vezes não podemos selecionar. Cada pessoa deve escolher o que vai fazer, essas ocasiões estão ao nosso redor, sem que nos seja possível andar pela vida com os olhos vendados.

Quanto à linguagem, percebemos o quanto ela é continuamente estudada, trabalhada e quantos participantes tentaram distender o que foi dito pelo facilitador realizando o exercício de acordo com o que ouviram ou procurando fazê-lo propositalmente. o que ouviram, ou mesmo cruzando os braços ou recusando-se totalmente.

Observamos participantes que não suportaram ver o que haviam produzido, que ficaram enormemente frustrados, tentaram encobrir suas falhas, amassaram o papel e jogaram no lixo, recusando-se a colocar em suas camisas qualquer coisa que "não fizesse". “não parecia justo para eles”. Percebemos que a provocação que o participante sofreu durante o exercício não foi agradável; ele tentou escapar ou pelo contrário tropeçou enquanto o anfitrião estava sempre presente e atento a essas manifestações. Um dos participantes da sessão de Michel disse: "Eu só faço o que gosto", parecendo muito incomodado com a tarefa. Acho que este é um dos momentos mais difíceis da relação terapeuta-paciente, pois no momento em que o terapeuta respeita o “não quero” do cliente, ele o convida a participar. Germain Fajardo, com quem tivemos uma longa sessão de supervisão, nos disse: “Não quero que o participante seja quem eu sou; da mesma forma não serei ele, nem serei conivente com ele ”. A sensação que surge é que o paciente está constantemente testando os limites dessa relação e os limites de nossa sanidade.

“O período inevitável de oposição para alguns, de aceitação quase cega para outros, diz Simonne Ramain, torna difícil a tarefa do facilitador. Como os participantes, ele não está acostumado a ver nem seu papel nem sua tarefa dessa forma, nem a dar ao erro o significado que ele assume nesta pesquisa. A atitude de calma e serenidade que o facilitador deve manter para não deixar o grupo perceber todos os embates e desentendimentos que ele pode estar vivenciando dentro de si; o confronto consigo mesmo, com os seus alunos, até com o exercício será incessantemente a tarefa que terá de assumir, porque o seu papel não é ajudar, nem impor nada, mas sim fazer viver e orientar a experiência que o obriga a partilhá-lo, assumindo-o de uma forma diferente da dos participantes, mas verdadeira, sempre em relação às suas responsabilidades. "

Podemos perceber quanto exercício físico é o suporte da relação terapêutica; seu valor é justamente o de ser mediador, de ser o que une o paciente e o terapeuta. Não tem valor como fim, como produção, como objeto em si mesmo, embora o participante muitas vezes o deseje a ponto de, muitas vezes, se angustiar quando não consegue "fazer bem", ou quando sente-se em dívida com seu erro.

É o exercício, viabilizado pela linguagem do facilitador (as instruções do exercício) que estabelece o limite; esse limite imposto pela linguagem é o elemento que intriga o participante, o incomoda, o faz sentir uma situação de desconforto. Muitas vezes, a tendência é modificar ou remover a linguagem na tentativa de deixá-la como está, sem complicações. Na complexidade de entender o que fazer está a situação. “Seja a tarefa simples ou complexa, a situação será sempre complexa no sentido de que será sempre inteira, global, envolvendo todo o sujeito, dando origem a todas as relações que ele é capaz de criar naquele determinado momento e envolvendo sua responsabilidade. ".

Esse movimento interno induzido pela tarefa aguça as respostas dos participantes que de alguma forma invadem e bombardeiam o terapeuta. Por sua vez, este último se vê exposto a um grande número de estímulos variados. No trabalho psicoterapêutico individual desenvolvido anteriormente, me vi menos exposto, talvez tranquilizado pelo cenário e pela interpretação, parecia mais escondido em uma atitude de expectativa, enquanto na abordagem do Ramain me senti exposto, participando da vida de o grupo e invadido em todos os momentos pelo que acontece na sessão. Tive a sensação de estar escandalizado ao me ver nu e bombardeado pelo que emanava do grupo. Talvez o objetivo do "cheque" feito na sessão fosse combater essa exposição e também o medo de correr riscos.

“O risco parece ser uma característica importante de qualquer situação. Esse é o risco que corre o sujeito que o vivencia, pois este não pode prever plenamente a forma como vai se engajar, assim como não pode ser programado por outrem o seu engajamento ”. Ao mesmo tempo em que o participante assume o risco, embarca na busca pela realização da tarefa que está realizando, nós também recebemos, como terapeutas, respostas inusitadas às quais devemos nos manter abertos e receptivos. Nessas ocasiões, pacientes e terapeutas vivenciam momentos de luta e incerteza consigo mesmos; isso causa sofrimento, por meio desse questionamento: “como vou sair dessa situação agora? "

O Ramain é uma técnica que exige muito do terapeuta: atenção constante e redobrada, comprometimento total com a situação, flexibilidade mental, abertura, maleabilidade e firmeza. Essa pode ser a causa do cansaço de que falei acima, pois acredito que não seja possível permanecer insensível enquanto se facilita uma sessão de Ramain. Chamo quem diz que não sente nada, porque a situação, quando é fonte de sofrimento para o paciente, é também para o terapeuta. Passar pela situação intacto, sem reação, é impossível. A dor - ou desconforto - que o paciente e o terapeuta sentem na sessão me parece ser a dor que faz parte do processo terapêutico, a dor do parto, da nova forma de pensar e agir, já que o terapeuta é global submetido ao tratamento ao mesmo tempo que processa. A flexibilidade mental e a maleabilidade do terapeuta permitem a espontaneidade do paciente ao facilitar a dinâmica do processo.

“Na pesquisa em que ele se envolve com os participantes”, disse Simonne Ramain, o facilitador por muito tempo corre o risco de ficar tão perturbado quanto eles, ou até mais, porque, não saber exatamente para onde vai, é difícil para ele para orientar o grupo. Ele ignora as questões que os exercícios vão levantar quando vão além do quadro do resultado material obtido. Ele não tem mais uma técnica à qual possa se agarrar para afirmar seu conhecimento, sua autoridade. Como eles sobreviverão aos choques, aos desafios que devem ser constantemente enfrentados depois de ser quem sabe o que ensina e quem o impõe? Ver a si mesmo talvez se tornando o ser tateante em certas situações, como seus alunos fazem, é difícil de aceitar; entretanto, à medida que vão descobrindo as causas de seu desconforto, o facilitador percebe que até então, para consolidar sua autoridade, pode ter substituído seu conhecimento pela verdadeira afirmação que está fazendo nele como pessoa. "

Outro ponto de extrema importância observado no curso está ao nível dos limites entre abertura, firmeza e proibido. Pudemos observar a abertura não no sentido de "deixar o barco à deriva", mas de amplitude; "firmeza" no sentido de estabelecer limites e não de prevenir. Esses pontos são muito difíceis e delicados de estabelecer. Usei a expressão “barco à deriva” com o significado de desordem, na qual o terapeuta não tem conhecimento do que está acontecendo (ele se omite). A abertura em uma sessão do Ramain é muito diferente disso. É dado precisamente para que a pessoa se manifeste da maneira que pode; mas ela não está sozinha; o terapeuta está presente e atento a essas manifestações, ajudando a pessoa a seguir o caminho que escolheu para suas pesquisas.

Um grande risco que a metodologia de Simonne Ramain corre é ser praticada por alguém que não desenvolveu as habilidades acima, pois essa técnica tão rica poderia, infelizmente, ser trabalhada apenas como técnica psicomotora ou simplesmente cognitiva e o processo terapêutico não ocorreria.

Este estágio foi de grande utilidade para nós, pois pudemos vivenciar o Ramain em vários tipos de arquivos de Exercícios, com diferentes populações, de diferentes idades, usados ​​em escritórios, em hospitais-dia, em escolas, desde pessoas normais a pessoas com graves distúrbios neurológicos, psicomotores e emocionais. Um dos pontos a serem observados diz respeito à atitude terapêutica; no entanto, todos os terapeutas que conduziram as sessões durante este estágio, pareciam ter desenvolvido as competências essenciais para o trabalho, conduzindo as sessões num clima natural e espontâneo, procurando incluir tudo o que acontecia, fosse o que fosse, apoiando os participantes na pesquisa , firme às vezes, flexível às vezes, ora estabelecendo limites, ora abrindo e, sobretudo, acompanhando, com total empenho, o caminho que todos procuravam traçar, permitindo a liberdade de expressão. Pudemos ainda perceber claramente o quanto os terapeutas permaneceram expostos dentro do grupo, “sofrendo” o processo terapêutico junto aos membros de seu grupo.

As questões levantadas durante este estágio foram esclarecidas e esta compreensão permite-me hoje uma postura mais natural, mais espontânea, gostando e trabalhando muito mais o que surge nas sessões. Sinto que o controle que antes exercia desapareceu, dando lugar a uma atitude flexível que promove uma melhor dinâmica da sessão, facilitando e desenvolvendo o processo terapêutico.

Gostaria de agradecer aos terapeutas que animaram as sessões e a todas as pessoas do Instituto Simonne Ramain que tão bem me receberam e me deram a oportunidade para este estágio.

Jadette CALISTO DA SILVA