A atitude de interesse - Trechos de um escrito de S. Ramain sobre interesse e atenção.

Além disso, você precisará saber mais sobre o assunto.

Quando pedimos a alguém que tome cuidado, presumimos que ele é capaz de fazer esse esforço com tudo o que este último acarreta de sutileza, vigilância e tonicidade.

Recomendar que um sujeito seja cuidadoso é sugerir que há um ato especial a ser feito que lhe permitiria agir nas condições desejadas, e uma pergunta vem à mente: podemos não ter cuidado? Como fazemos manual, intelectual ou outra coisa?

Não deveríamos considerar a atenção como um modo de ser do qual surge uma atitude de interesse? Uma atitude que parece carregar em si todos os elementos necessários para o cumprimento bem-sucedido da tarefa proposta, sem distinção, sem escolha preferencial?

Esta atitude de interesse não exclui o interesse específico por esta ou aquela atividade, um interesse que responde a uma necessidade profundamente humana e que de forma alguma é desprezível, mas o comportamento de um sujeito que se projeta sem limites e sem esforço em uma tarefa que ele escolheu ou que lhe agrada é totalmente diferente da atitude de quem deve constantemente assegurar-se de apoiar o esforço de aplicação que lhe é imposto por uma tarefa para a qual não percebe o interesse imediato. (...)

O esforço é reduzido e corre-se o risco de desaparecer quase completamente quando o sujeito realiza, por sua própria vontade e sem constrangimento, um trabalho que escolheu. Não é para capacitar os alunos a aprender com um mínimo de esforço que certos métodos ditos "atrativos" solicitam o interesse espontâneo e fugaz provocado por tal e tal objeto?

A experiência prova que prestar atenção apenas a quais interesses não educa o sujeito, em todas as suas dimensões, nem eletivamente, atenção própria que, neste caso, é utilizada ou não em um domínio limitado e determinado. Avança pela escolha que foi feita .

Muitas vezes resulta disso que, quando um sujeito tenta trazer a mesma aplicação, o mesmo zelo que lhe é oferecido, mas que não lhe interessa, ele é incapaz, apesar de sua boa vontade, de cumprir a tarefa tão conscienciosamente quanto ele gostaria. A tendência à pressa, a pressa deixa este ou aquele ponto mal explorado, mal compreendido, mal acabado e supera o desejo de aplicação e rapidamente percebemos que mesmo a despeito da boa vontade, os esforços são em vão e a atenção desajeitada e fugaz.

Essa tendência parece obedecer a um descontrole quase total sobre o comportamento, o que significa que o sujeito, acostumado a escolher o que lhe agrada, permanece incapaz de controlar seu impulso de “escolha”; ele se deixa levar por ela e só percebe o que corresponde aos seus apetites intelectuais, emocionais, motores ou outros.

Assim que se contenta, deixa-se invadir pelo jogo de suas associações que se modificam, transpõem e se adaptam conforme a escolha.

Cortado desta forma, o sujeito nunca percebe um todo em sua totalidade e não permite a transformação enriquecedora que oferece uma percepção pura e completa de um novo fenômeno.

A partir dessas observações, admitimos que é possível um estado de atenção, do qual nascerá a atitude de interesse. (...)

A atenção não é primordialmente de caráter intelectual, ela se distribui por todas as funções e deve ser utilizada por cada uma delas no momento oportuno, a fim de permitir ao sujeito apreender as impressões em seus diversos aspectos e deixar ao jogo a disponibilidade e a plasticidade essenciais para o bom funcionamento do ser. (...)

Pela atenção internalizada que oferece e pela atitude de vigilância imprescindível para o sucesso, esta forma de trabalho obriga o indivíduo a agir sobre si mesmo e para si da forma mais autônoma possível.

Extrato de uma palestra em "Recherches et Rencontres", Paris, março de 1964

Postado em "Autoconduta e Progresso Humano"

pelo Dr. P. Chauchard
The Workers 'Editions, Paris, 1972