Movimento

Além disso, você precisará saber mais sobre o assunto.

Detenhamo-nos no movimento de autovalorização descrito no texto de 1964: Se tentarmos reconstruir o desenvolvimento intelectual e emocional da criança ...

Aos poucos, a criança vai gostando de seus sucessos, desde que, é claro, os que estão ao seu redor lhe dêem uma imagem positiva de sua própria satisfação diante desses sucessos. Interessado nessas recompensas, ele buscará oportunidades de repetir seus sucessos e se interessará pelo que facilmente conquista, por exemplo, reforçando assim um interesse específico que se tornou um interesse preferencial por tal ou tal tipo de situação, de forma limitada e determinado campo, com antecedência, que se tornará seu principal interesse.

Para a criança descobrir, desde muito jovem, o “interesse” em ter sucesso não seria um grande incômodo (a condição de concordar sobre o que significa “sucesso”; e novamente! ...) se por outro lado ela não alimentou a ideia de que temos o mesmo “interesse” em se afastar de situações em que parece arriscado, para a própria imagem, se aventurar.

Assim orientado pela sociedade e impulsionado por um dom ou tendência natural, o sujeito… está cada vez mais afastado de tudo o que não é o seu principal interesse.

Aos poucos, a criança só percebe o que se relaciona com seus interesses em detrimento - digamos com Simonne Ramain - de sua capacidade de se interessar.

Este “interesse no interesse próprio” que caracteriza o “interesse próprio” parece-me ser a base do individualismo, “esta atitude que tende a fixar a realidade do indivíduo - diz Pierre Macherey na esteira de Michel Foucault - independentemente de o que constitui o seu “fora”, e que, portanto, o considera como uma entidade autônoma, suficiente em si mesma, fechada em si mesma e no mundo de seus interesses, todos eles referentes ao interesse primordial que o indivíduo vai para si ”.

"Interesse primário", um interesse essencial da atividade humana que, num desejo cativo, se traduz em interesses competitivos tornando-se rapidamente a única razão para estabelecer uma relação.

Esses interesses competitivos - diz Simonne Ramain - não têm o aspecto educacional que permita o autoconhecimento e suporte o esforço de aplicação em todos os campos.

Nessa forma de interesse decorrente de um "comércio" entre o indivíduo e seu entorno, encontramos mais uma vez uma subordinação do interesse à utilidade esperada - da empresa mais do que do objeto - o que me faz dizer que nos interessa apenas o que nos traz ou pode nos trazer um “interesse”, ou seja, que é “por interesse” que estamos “interessados”.

Aqui está então aquela "motivação de interesse" que se junta ao investimento no mercado de ações! É assim que o aluno que - parafraseando Jacques Brel - “se torna farmacêutico porque o pai não era” pode não se interessar pelos cursos que está fazendo, mas se interessar por cursá-los, o que, na maioria das vezes, lhe basta . Da mesma forma, esse trabalhador provavelmente não deveria achar sua tarefa mais "interessante" (e se fosse o caso?) Uma vez que ele está "interessado" na produção, mas descobre que tem "interesse".

“O interesse motriz” é acionado, seja para satisfação direta e imediata, seja para um objetivo a ser alcançado.

Em ambos os casos, o indivíduo pesou - talvez inconscientemente - os prós e os contras de um compromisso - estar interessado em um - e então tomou uma decisão com base em sua imagem de felicidade., De suas tendências hedonísticas ou das pressões de sua comitiva, que são responsáveis ​​por decidir "seu interesse".